quarta-feira, 23 de abril de 2014

querida matemática, já fomos mais amigas

estou preocupada, com a escola. eu nunca morri de amores pela matemática, mas agora irrita-me imenso. estou na aula e consigo manter-me atenta às explicações do professor, na maior parte da aula, mas se me distraio um pouco, perco-me, mais do que devia. depois tento recuperar e ao sair da aula penso que entendi tudo. hoje, foi o que aconteceu. cheguei a casa e decidi fazer mais uns exercícios e não consigo fazer mais do que aquilo que fizemos na aula! não posso continuar assim se quero ter mais do que um 62% no exame fina, não quero que aconteça o mesmo que aconteceu no Teste Intermédio. e fico apavorada só de pensar no próximo ano, não posso continuar assim se quero seguir Ciências e Tecnologias, não é? não sei onde vou arranjar vontade para ter melhores notas, mas tenho de a encontrar em algum lado...

também têm problemas com matemática? como foi o vosso regresso às aulas?


segunda-feira, 21 de abril de 2014

odeio isto

o meu melhor amigo dá-me cabo dos nervos, mesmo. a sério que não o consigo entender. antes de nos começarmos a dar ele contou-me que gostava de mim, apanhou-me de surpresa mas não liguei muito. algum tempo depois começamos a dar-nos e assumi que aquele "fraquinho" já não existia, mesmo porque ele me falava de outra raparigas. até aqui tudo bem. depois, no fim desse ano voltou a dizer-me que gostava de mim. e voltou a acontecer tudo outra vez. este ano arranjou uma namorada. eu mal a conhecia e as coisas não correram muito bem, nada bem mesmo. ele deixou-se afetar demasiado e tentei sempre apoiá-lo ao máximo, é assim que eu sou. mas agora voltou a dizer-me que está apaixonado por mim. primeiro que tudo, não consigo entender como ele esquece certas coisas tão rapidamente, embora não tenha coragem para lhe dizer isso. mais uma vez, não liguei muito, tento falar o menos possível da situação, porque além de me fazer sentir desconfortável, sei que estou, de alguma forma, a magoá-lo. e ele deu-me a entender que percebia que eu não gosto dele da mesma forma. mas ele faz exatamente o contrário. desde esse dia, cada vez que fala comigo é para me falar sobre isso, para me pedir para as coisas não ficarem estranhas entre nós ( quando sabe perfeitamente que eu não o vou tratar de maneira diferente por causa disto ) e, da última vez, para me perguntar porque não lhe dou uma hipótese, para mostrar que pode ser diferente, que me pode mostrar que gosta de mim. eu entendo que ele esteja triste por eu não sentir o mesmo, mas ele tem de entender que eu não posso dar uma hipótese dessas a uma pessoa apenas porque é seguro. ou se ama ou não se ama. e eu não o amo, não dessa maneira. ele faz-me sentir mal, porque ao ter de lhe explicar isto e não havendo outra maneira de o explicar, eu sei que o estou a magoar. e ele sujeita-se a isso. só gostava que fosse mais fácil.